Lançamento de livro/cd de poesia que causará ainda muito espanto!

Público do lançamento do livro/cd de poesia falada e em braile: "!Espanto".

Público do lançamento do livro/cd de poesia falada e em braile: “!Espanto”.

Enquanto a Cidade das Artes, segundo o Jornal O Globo,  “encantava  um público de dez mil pessoas com o projeto “Aquarius”, de música clássica, pela Orquestra Sinfônica Brasileira”, em um outro trecho da Barra da Tijuca, no começo do bairro, o lançamento de um livro/cd causava espanto com as mesmas proporções, para um público bem menor, mas que sem sombra de dúvidas em breve alcançará também um número maior de pessoas.  Era o lançamento do livro/ cd de poesia falada e em braile: “!Espanto” , da poeta e produtora cultural Flávia Côrtes, que aconteceu na noite do último Sábado, dia 14 de Dezembro, no “Art Coffee Bistrô”, na cobertura do prédio comercial Barra Space Center, com uma espetacular vista de cima de uma parte da Barra da Tijuca.

Leia mais

Advertisements

Poesia viva na Barra da Tijuca

A professora aposentada, poeta e moradora da Barra, Léa Madureira, com algumas das edições do jornal Poesia Viva

A professora aposentada, poeta e moradora da Barra, Léa Madureira, com algumas das edições do jornal Poesia Viva

Professora de História da UERJ aposentada, Léa Madureira, moradora da Barra e do condomínio BarraMares há 33 anos e com três livros publicados, faz parte de um jornal que no seu início procurava por novos  poetas, que fossem também da Barra da Tijuca. O Jornal chama-se Poesia Viva e é voltado para poesia, literatura e filosofia e o objetivo é dar visibilidade a poetas anônimos e também a poetas já consagrados, como Manoel de Barros e Affonso Romano de Sant´Anna.

Leia mais

O Sol da poeta e da poesia

A poeta, professora de português e moradora da Barra, Celi Luz

A poeta, professora de português e moradora da Barra, Celi Luz

A poesia com certeza irradia através do brilho da poeta, professora de português e moradora da Barra, Celi Luz, que é membro de associações, grupos de escritores e poetas, participante de saraus, com diversas premiações literárias e com poesias publicadas, dentre as quais estão no seu primeiro livro: “O Sol da Palavra”, editora Ibis Libris, 2009.

Leia mais

Avenida das Américas

A Avenida que leva a ruas sem esquinas

Quanta saudade, de quando tudo isso era mato e duna!

Condomínios e shoppings que nada mais querem dizer

E quem por ali que vive ou passa

Não preenchem suas lacunas

A avenida ilude, dizendo que você pode me conhecer

 

 

A avenida que é mais de uma América

Do que das outras Américas?

Mas e quando a América que é dessa Avenida mudar

Ou deixar de existir?

E quando as Américas se tornarem

De fato uma única América?

Aí finalmente será Avenida da América?

E quando essa América deixar de existir também?

Será Avenida do mundo?

E quando o mundo perder suas fronteiras?

Será Avenida da Via Láctea?

Avenida do Universo?

 

Avenida das Américas

A Avenida que será das poesias e suas métricas….

Barra, você está na poesia

Aluizio Rezende, escritor, poeta e engenheiro civil, e sua mulher, a educadora Mariângela Mangia. Os dois são idealizadores  e organizadores do Poveb – Poesia Você Está na Barra.

Aluizio Rezende, escritor, poeta e engenheiro civil, e sua mulher, a educadora Mariângela Mangia. Os dois são idealizadores e organizadores do Poveb – Poesia Você Está na Barra.

A partir de 2005, após a publicação de seu primeiro livro, o escritor, poeta e engenheiro civil, Aluizio Rezende, decidiu divulgar os textos que mantinha guardados, bem como iniciar sua participação no meio poético e literário. O primeiro evento de poesia na Barra da Tijuca que Aluizio teve notícia foi por volta de 2005 e 2006, no  Freeway, na Barra : “Todas elas e alguns deles”, organizado pela APPERJ (Associação Profissional de Poetas no Rio de Janeiro) e pelo editor, escritor e poeta, Sérgio Gerônimo. Aluizio foi levado a este evento por Rita Lacerda, poeta, amiga de sua irmã. Este sarau acabou logo, segundo Aluizio: “Foi aí que percebi que tinham muitos poetas na Barra mas não tinham eventos poéticos e literários com freqüência no bairro”.

Leia mais